Diga oi para o Culpa de Keka 2.0

Sim! Corinto faz história com o primeiro reconhecimento de União Estável Homoafetiva.

É com muito orgulho que o meu escritório, Pio & Santos Advocacia, composto por mim e Charlene Pio, tem a honra de apresentar o primeiro reconhecimento de união estável de uma relação homoafetiva em Corinto – MG.

Duas grandes amigas resolveram regulamentar juridicamente sua relação.

Aproveitando desta pequena evolução do nosso país em aceitar juridicamente que duas pessoas do mesmo sexo possam ser uma instituição de família, Taciana e Poliana celebraram sua convivência no cartório de Corinto.

Reconhecendo aqui a convivencia entre duas pessoas que se amam e são do mesmo sexo.

Reconhecendo aqui a convivencia entre duas pessoas que se amam e são do mesmo sexo.

Assim, elas provam que duas pessoas do mesmo sexo amam (isto todo o mundo já sabe) e quiseram que isto fosse reconhecido e respeitado como qualquer outra relação. O que agora é.

Poliana reconhecendo sua relação com Taciana. Momento histórico.

Poliana reconhecendo sua relação com Taciana.
Momento histórico.

A atitude de unirem-se documentalmente é muito nova pra cidade e também para nosso cotidiano. Mas nem por isto deve ser desrespeitada e deixada de lado.

Deve sim ser falada aos quatro cantos do mundo.

Documento que prova a convivência entre duas mulheres, Taciana e Poliana, em forma de certidão registrada em cartório.

Documento que prova a convivência entre duas mulheres, Taciana e Poliana, em forma de certidão registrada em cartório.

Antes de julgar este tipo de relação e aceitação do nosso Estado pense: se 2 pessoas podem morar juntas porque não podem ter sua relação constituída independentemente se são ou não do mesmo sexo?

Se homens e mulheres podem se unir por que pessoas do mesmo sexo não?

Não há diferença. Se você pensa que tem, você que é o errado.

Aqui é apenas uma questão de respeito: para tê-lo deve fazê-lo.

E é aquela coisa, se não concorda é só não ir à festa da União Estável.

Que nossas queridas sejam ainda mais felizes.

É o que o site Culpa de Keka e o Pio & Santos Advocacia desejam e festejam.

Anúncios

Há mais de três anos atrás Katy, ou Kátia para os íntimos, estreava essa coluna com seu álbum Teenage Dream que logo em seguida se provou ser um sucesso maior do que qualquer um de nós esperava. Também pudera, Katy soube trabalhar o álbum muito bem e emplacou hit atrás de hit com clipes genias e quando achávamos que nada mais poderia sair dali ela ainda veio com um relançamento que trazia novas músicas das quais ela ainda tirou novos hits. Tanto sucesso causou uma superexposição de sua imagem, um excesso de açúcar para os fãs.

Foram três longos anos de espera mas se pensarmos no tempo que Teenage Dream ficou nas paradas nem parece tanto tempo assim e então Katy aparece novamente marketeando seu novo álbum PRISM que iria literalmente enterrar Teenage Dream. Alguns fãs surtaram instantaneamente. Como Katy poderia ser capaz de enterrar seu grande sucesso? Um álbum que representou tanto na vida de tanta gente? Será que ela iria partir para um estilo totalmente diferente? A resposta você acompanha na nossa análise faixa a faixa, então vem com a gente!

Essa é a capa de PRISM

Essa é a capa de PRISM

Continue lendo »

A Noite do Mico realizada no Colégio Dom Serafim – Coopencor no dia 05/10/2013 teve o intuito de promover o reencontro das turmas formadas lá desde a mudança de instituo para cooperativa.

De tudo teve lá. Micos homéricos.

De danças antigas, como a da minha turma dançando a coreografia de 1994 Mudança de Hábito, mais conhecida como dança das freiras (que emocionou a nossa turma e a galera do Culpa De Keka), até revelações bombásticas seguidas de interpretações de como os professores lecionam.

Enfim, foi uma festa com emoções e diversões.

Mas o ápice do ápice veio com os professores e o diretor, fazendo jus ao nome da festa, nos presenteando e dançando a música Show das Poderosas.

Quase um VMA 2013 a apresentação foi composta de muitos movimentos pélvicos e muitos twerks.

Os professores mostraram que são ‘gente como a gente’

Continue lendo »

 

QUALQUER semelhança entre esta obra e a realidade é mera coincidência. Eis uma obra de ficção.

Ana Cecília acabara de se mudar para a cidade de Corinto. Chegaram ela, o irmão Rafael e Thomas, um cão labrador chocolate daqueles que não se vêem todos os dias. Os três vinham de Belo Horizonte pois Ana Cecília tinha acabado de se formar em direto na UFMJ já estava sendo chamada para assumir como delegada da pequena cidade após passar num concurso público. Os pais de Ana tinha se separado, o pai foi morar com uma mulher mais nova e após esse acontecimento a mãe não quis mais saber da família e resolveu sair curtindo a vida como uma adolescente fora de época. Típica reação da mulher traída e magoada. Sendo assim, Ana assumiu a responsabilidade pelo irmão que acabava de passar para o ensino médio.

Alguns meses se passaram desde a mudança. Rafael já matriculado se esforçava para socializar com os novos colegas de escola, todos muito interioranos para ele. Ana Cecília, novata e querendo mostras eficiência já havia resolvido a maioria das pendências existentes relacionadas ao cargo que assumira enquanto Thomas reinava absoluto no quintal da grande casa que a família havia alugado tornando a vida dos calangos que moravam ali um tanto mais difícil.

Na verdade, a medida que o tempo passou as coisas foram ficando muito tranquilas e monótonas para a rotina de Ana que estava acostumada com a agitação de uma cidade grande. Em Corinto ela não tinha as opções de entretenimento que costumava frenquentar em Belo Horizonte, o que era terrível para uma mulher que acabava de completar 25 anos. Até o trabalho havia minguado, não havia mais criminosos a solta nem confusões entre vizinhos para resolver.

Continue lendo »

 

QUALQUER semelhança entre esta obra e a realidade é mera coincidência. Eis uma obra de ficção.

Na década de 80 nascia uma menina, que sem saber, ia causar muita confusão na sua cidade natal – Corinto.

Sua infância simples no bairro Marimbondo não deixou seus sonhos irem embora. Naquela época, ela com seu temperamento forte e crítico justificou o nome que ganhara: Ana Trollar.

Pícara Amélia, sua mãe, passava muita vergonha com as sinceridades que Ana falava quando elas freqüentavam o centro comercial da cidade. Lá nos anos 90, já era uma criança prodígio tipo Maísa do Sbt.

– Mas não é possível, maezinha, toda loja que entramos tem o nome da dona, farmácias tem nome de gente, açougues tem os mesmos nomes, só que em ordens diferentes… – indagou Ana na frente da Sarita, dona da loja cujo nome é Sarita Modas.

Continue lendo »

É sucesso, minha gente.

Com mais de 390.000, até agora, de visualizações o Bonde das Pimentinhas Mais Corinto apresentou no Forró de Corinto Mg ao vivo, festa de aniversário da cidade, e cantou nova música.

Elas foram para o Rio de Janeiro gravam no estúdio a nova música para apresentar na festa, de composição da integrante Ana Luiza. Segundo ela, por telefone, disse me que ficou feliz com  apresentação. Que as meninas vibravam quando anunciavam do show delas, quando ainda estavam nos bastidores. Que ficaram nervosas. E que o ponto alto do show foi quando elas colocaram o público pra cantar o hit Capacho e a praça inteira reagiu cantando junto.

Com vocês a primeira apresentação ao vivo de Meu Estilo e Capacho.

Continue lendo »

Nesta semana não se fala de outra coisa na cidade de Corinto que não seja o vídeo do Bonde das Pimentinhas Mais Corinto cantando e dançando a música CAPACHO.

Sem vulgaridade, sem letras ofensivas e de baixo calão as meninas do grupo, a princípio 3, fizeram todos correrem pra internet e apreciarem, o que parecia ser brincadeira, o grande viral do momento.

Podem achar engraçado, podem rir, falar mal, como também podem se divertir, comentar, cantar e aprender o hit CAPACHO. O importante disto é que sem pretensão as garotas de um dia para o outro atingiram de 200 views para 60.000 views no youtube. Hoje contabilizam mais de 250.000 views em crescimento.

Continue lendo »

Nuvem de tags